home natural    
   
Divulgação

  Anuncie
Mostre sua marca para o mundo da borracha
Garanta seu espaço!

  Revista Lateks
Única publicação especializada
em heveicultura no Brasil
Compre!

Agenda

ABC

Tempo

 

 
     ASSINATURAS      Boletim      Anuncie      Fale Conosco      Política do Site     
Heveicultor teve sete hectares de seringueira destruídos pelo fogo (conteúdo aberto) PDF
17/05/2022

Seguro rural tem subsídio de até 75% para heveicultores paulistas

Camila Gusmão

Estamos entrando no período mais seco do ano e com mais ventos, o que torna o cenário propício para a ocorrência de incêndios como o acontecido em setembro do ano passado no município de Urupês, a cerca de 50 quilômetros de São José do Rio Preto.

A área plantada com seringueira pertence a Eduardo Gentile, engenheiro agrônomo e heveicultor, que na ocasião teve sete hectares queimados.

Divulgação

Incêndio atinge plantação de seringueira em Urupês

O prejuízo só não foi maior porque o heveicultor havia contratado um seguro com subsídios dos governos federal e estadual. Na época, a apólice havia sido cotada com um valor total de R$ 15.550, mas o valor desembolsado por Gentile representou uma fração disso. Com os subsídios, o produtor pagou efetivamente um terço do valor total, ou R$ 4.276.

O incêndio teve início em outro município, Irapuã, em uma quarta-feira, na beira da rodovia. Após um tempo, atingiu a propriedade vizinha, onde havia palhada seca de cana-de-açúcar. Quatro dias depois, o fogo se aproximou do seu seringal. Mesmo sendo avisado por um empregado, como reside em São José do Rio Preto, o fogo já tinha tomado toda a plantação até o heveicultor chegar na propriedade.

“O pessoal da Usina Itajobique, que faz divisa com a seringueira, não conseguiu apagar. Foi muito rápido e intenso. Após cerca de dez minutos já havia varrido tudo, quase pegando fogo na casa”, conta Gentile.

Divulgação

Heitor (E) e Nelson Moreira se especializaram em seguro para seringueira

De acordo com o heveicultor, existe um trabalho de prevenção realizado com a manutenção da floresta limpa, carreadores e aceiros nas divisas, e para combate ao incêndio, um tanque que não se prestou para conter a propagação das chamas.

“A Usina, com toda a sua estrutura de combate de 20 caminhões bombeiros, não conseguiu conter o fogo também, e nem me ajudar. A orientação foi sair imediatamente da área para não morrer. Não havia mais o que ser feito para controle do incêndio. A dica é contratar um seguro”, recomenda.

Gentile conta que vinha acompanhando secas prolongadas nos últimos três anos, muitos casos de incêndio na região e teve conhecimento da Ncred Seguros, uma corretora de seguros com especialidade em seringueira.

“Então, como a safra passada foi muito boa, eu me animei em fazer esse investimento no seguro, já que o risco de incêndio estava aumentando com a chegada da seca. Para minha sorte, no ano que resolvi contratar o seguro pela primeira vez, ocorreu o incêndio”, disse.

O heveicultor começou a investir em seringueira no ano de 2009, quando havia se formado em engenharia agronômica, e iniciou a sangria há cerca de seis anos. A área de seringueira substituiu o cultivo de cana-de-açúcar. Ao todo, foram plantados 43 hectares de seringueira em Urupês e 48 hectares em Tabapuã.

Segundo Heitor Moreira, corretor da Ncred Corretora de Seguros, o subsídio federal é de 40% do valor total do custo do seguro. Para os produtores paulistas, tem também o subsídio estadual de 35%. Ou seja, em uma cobertura total de seguro florestal, o heveicultor precisará desembolsar apenas 25% do custo da apólice, estando protegido contra incêndio, ventos fortes, granizo, geada e queda de aeronaves.

“Na contratação nova de um seguro não é certeza de que ele receberá o benefício do governo, porém, todos os seguros que fechamos para produtores no ano passado até junho tiveram os dois benefícios”, conta.

O produtor não pode possuir qualquer restrição junto ao Estado de São Paulo ou à União para conseguir os subsídios. Além disso, na soma de apólices de outras florestas, não pode superar o valor de subsídio de R$ 60 mil na esfera federal e de R$ 25 mil no nível estadual.

“O heveicultor não deve esperar a seca para contratar o seguro, pois não tem sentido esperar e pagar mais caro sem os subsídios. O produtor de borracha deve se antecipar e contratar, se possível, até o final de maio, pois é o período que mais se tem chance de conseguir os subsídios”, explica.

Para este ano de 2022, a seguradora e a Associação Paulista de Produtores e Beneficiadores de Borracha (Apabor) atualizam um estudo sobre o custo de investimento para a implantação de um seringal.

“A parceria da Ncred com a Apabor abriu a possibilidade de contratação manual via matriz de um valor superior de cobertura por hectare disponível de forma automática no sistema da companhia seguradora - hoje de R$ 20.980,50. Assim, mesmo sendo uma contratação mais lenta, o heveicultor terá a opção de valor maior de cobertura de acordo com a sua necessidade”, finaliza.

 


RELACIONADAS
Calor excessivo causa queda de folhas e incêndio em seringais
Ventos fortes causam prejuízo a heveicultor paulista
Heveicultor recebe mais de R$ 280 mil de sinistro causado por geada


 

Permitida a reprodução total ou parcial, desde que citada a fonte.

 

 
< Anterior   Próximo >
   
   
© 2009-2021 LATEKS COMUNICACAO LTDA. Todos os direitos reservados.
Rua Campos Salles, 1753 - Vila Boyes - CEP 13416-310 - Piracicaba-SP
Atendimento preferencial por e-mail: vendas@lateks.com.br
Supported by
lateks